Diário de um Universitário #4

Quando estou em meu apartamento, sozinho, depois de um longa leitura, fico pensando sobre minha situação aqui em Florianópolis.
Deixei uma cidade em que praticamente todos me conheciam, tinha um emprego legal, era um figuraça dos livros. Deixei família e amigos, muitos amigos.
Cheguei na capital. Tudo desconhecido. Um desconhecido legal, não vou mentir. Muitos prédios, bibliotecas interessantíssimas, shoppings, sessões de cinema (já foram três, amanhã será a quarta!). Para quem é de cidade grande, ler isso pode parecer ridículo, mas os leitores de Rio Negrinho entenderão bem. O único prédio da cidadezinha tem doze andares, o único “shopping” tem dois andares, cinema não existe. Algumas coisas que existem em Rio Negrinho e aqui não é uma chaminé que não solta fumaça, um avião que não voa e uma Maria Fumaça belíssima.

Há momentos também em que penso nos nossos grandes escritores, que deixaram suas cidadezinhas para partir à capital estudar, geralmente, Direito ou Medicina. É tão familiar…

Penso… penso… penso…

Anúncios

About jorgedoprado

Doutorando em Ciência da Informação (UFSC), Mestre em Gestão de Unidades de Informação (UDESC), Bacharel em Biblioteconomia (UDESC). Ver todos os artigos de jorgedoprado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: