Stephenie Meyer não me encanta

Aprendo indiretamente (às vezes diretamente) na faculdade que o bibliotecário deve ser imparcial, ou seja, não deve influenciar muito na escolha do livro que o usuário quer emprestar – salvo raros casos em que os dois são bons amigos. Eu ainda não trabalho numa biblioteca, mas de antemão já posso adiantar que não conseguirei ser imparcial, ao menos com os livros de Stephenie Meyer.

Estou prestes a terminar o terceiro volume da saga. Li o primeiro ano passado, primeiro em inglês e depois em português. A tradução é péssima e tem até pleonasmo vicioso, sem falar nos erros de digitação na versão traduzida. A escrita de Meyer saiu de uma fôrma, ela não consegue ser original. As metáforas que ela usa são terríveis. Quando ela poderia se salvar da besteirada que ela escreveu antes dos últimos capítulos, dá à protagonista linhas de dissabores literários.

Quanto ao segundo volume, nem se fala…

Já o terceiro ela conseguiu dar mais ação, mas o modo que ela escreve se repete, sem originalidade. É toda aquela banalidade de formatura e festa, preocupação com outro que ama Bella e por aí vai… RI-DÍ-CU-LO!

Aí você se pergunta: por que leu todos se o primeiro já é ruim? Fácil responder: eu tinha curiosidade em saber se ela conseguia melhorar e mesmo porque, eu preciso saber que é ruim para não indicar a ninguém.

Atualizado: A pedido de um amigo, estou colocando um trecho de Eclipse que selecionei por acaso. Lendo uma vez somente pode não surtir efeito, agora leiam 446 páginas com isso e vocês entenderão.

“Seus lábios desistiram dos meus por um momento, mas eu sabia que ele não estava perto de terminar. A boca seguiu a linha de meu queixo, depois explorou o meu pescoço. Ele soltou meu cabelo, estendendo o outro braço para colocá-lo em seu pescoço, como o primeiro”. (p.376)

Este é somente um excerto. Stephenie Meyer é mestre em enrolação. Os quatros livros que ela escreveu caberiam em um tranquilamente. Em todos ela fica relatando os sentimentos de Bella por Edward, onde ela fica pensando no que os outros irão achar, aí no final, quando costumeiramente tem-se a grande batalha, uma mera troca de socos entre lobisomens e vampiros termina com a história.

Just it. ^^

Anúncios

About jorgedoprado

Doutorando em Ciência da Informação (UFSC), Mestre em Gestão de Unidades de Informação (UDESC), Bacharel em Biblioteconomia (UDESC). Ver todos os artigos de jorgedoprado

6 responses to “Stephenie Meyer não me encanta

  • Alexandre de S Thiago Lemke

    Aê colega! É interessante, quando for criticar um livro, colocar um trecho ou outro pra mostrar o que vc quer dizer. Eu li tua critica e fiquei meio perdido.

    Abraço!

  • Bianca

    sorry,mas se ela escreveu os sentimentos da bella é por que ela,diferente de você,sabe explicar muito bem “o q pensa”,e os livros são incriveis pq,se não fossem,eles não iriam fazer tanto sucesso!!!!!!
    E se vc naum tem um bom gosto literario,não sie como vai trabalhar em bibliotecas!!!!!

    TCHAU!!!

    Uau! Eu sabia que alguém passaria por este post e faria um comentário assim. Sei que estou numa zona arriscada (das menininhas pré-adolescentes) e portanto, não comento mais nada, fico aqui, gargalhando.
    Obrigado pela visita!

  • Antonio

    Concordo plenamente com você, quando fala da ruindade da nossa amiga Meyer. No entanto, seus argumentos são fraquíssimos. Como assim, a escrita dela saiu de ‘fôrma’? Que fôrma? ‘Ela não consegue ser original’? Me defina uma escrita original, então. O que você aprende na Biblio – e eu também estou aprendendo – é que, ao trabalhar numa biblioteca, temos que tirar o ‘expert’ que há incutido a nós mesmos. Sabe? Aquela sensação de que você ACHA que leu algo melhor e ACHA que sabe que isto ou aquilo é muito pior ou melhor. Lembre-se, primeiro, de que isto sempre será o que você ACHA, e nada mais. E, também, que essa originalidade que você busca pode ser muito bem suprida por qualquer pessoa ao ler nossa amiga Meyer. E mais: na nossa profissão é admirável que consigamos incitar alguém a ler. Nem que leia a Meyer! Porque a partir dela, o indivíduo poderá buscar outras literatura, que podem – ou não – ser a que eu ou você ACHA mais apropriada.

    Ótimo comentário Antonio.
    Quando falo de “fôrma”, refiro-me àquela na qual alguns escritores conseguem obter sucesso e ficam na tal “fôrma” (sempre uso “fôrma” quando trata-se da montagem do enredo). Por exemplo: Sidney Sheldon. Li todos os livros dele, só que sempre com um espaço de tempo entre eles, pois o enredo segue uma linha: a mocinha se apaixona por alguém, morre alguém da família, ela faz uma viagem etc e tal; portanto, a leitura fica previsível.
    Queres uma escrita original? Quaisquer dos títulos de Saramago ou Will Self. Pura originalidade. Eles não partiram de alguma outra ideia para escrever seus livros, a vossa mente é a matéria-prima.
    Realmente, a capacidade que temos de regar (ou plantar) o prazer da leitura nas pessoas é algo incrível. E quando tu escreves “Nem que seja a Meyer!”, parece-me que não leu em posts anteriores sobre a imparcialidade que devemos ter.
    Concluo que tu lestes a minha postagem sob um olhar de bibliotecário, porém, meus posts ainda estão com um ar de estudante de Letras por detrás.
    Abraço
    Jorge.

  • Alexandre de S Thiago Lemke

    Valeu pelo trecho, agora realmente ficou mais evidente tua opinião.

    Quanto a ACHAR alguma coisa, todo leitor tem que achar mesmo. Imparcialidade é pra outros momentos. Não se pode ser imparcial com a própria opinião, não faz sentido.

  • Mione

    Colega, respeito sua opinião. Mas Bella é uma garota, e está apaixonada. Acho que você sabe como isso tem impacto em mim, hahah, depois de tantas e tantas conversas sobre livros de “romances romanticos” que tivemos. è uma historia surpreendente que poderia sim ter menos enrolação e mais ação. E poderia ser melhor escrita. mas o encanto da saga twilight nao perde seu brilho por causa disso. a não ser que você APENAS tenha olhos críticos sobre a obra.

    Beijos, Jorge! Saudades!

    Caraca, até da minha melhor amiga de Rio Negrinho eu recebi um comentário a respeito de Meyer. Sabia que daria o que falar, mas não tanto assim. E realmente, meu olhar é totalmente crítico em cima da obra.
    Saudades de tu também! Super beijo!

  • Karine

    Quando eu te emprestei o lua nova, falei que vc não ia gostar, dito e feito.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: