Biblioteconomia romanceada em alguns parágrafos

Terminei de reler um livro que acho muito bem escrito: “O sou o mensageiro”, do australiano Markus Zusak. Mas não escrevo este post para resenhá-lo e sim para colocar um trecho muito engraçado. Nas próximas linhas, o protagonista da história (Ed Kennedy) vai até a biblioteca. Para mim, que estudo Biblioteconomia, ficou fácil, mas perceba a evolução da Biblioteconomina romanceada, as mudanças tecnológicas, o perfil do profissional bibliotecário. É super cabível!

“É bem verdade que eu já li uma porrada de livros, mas comprei todos eles, sobretudo nos sebos da vida. A última vez que de fato usei uma biblioteca, ainda havia aquelas gavetas enormes de catálogos. Mesmo na escola, quando passaram a usar o computador pra armazenar os catálogos, eu ainda usava as gavetas. Eu curtia puxar o cartão de um autor e ver a lista dos livros.
   Quando entro na biblioteca, penso que vou ser atendido por uma senhora atrás do balcão, mas é um cara novo, mais ou menos da minha idade, de cabelo comprido e endulado. Ele é meio grosso, mas gosto dele.
    – Você tem aqueles cartões? – pergunto.
– Que tipo de cartões? Cartões de jogos? De biblioteca? De crédito? – ele está tirando um sarro. – O que você quer dizer exatamente?
Percebo que ele está querendo me deixar com cara de burro e inútil, embora eu não precise de sua ajuda pra isso. Começo então a explicar:
– Sabe, os cartões com todos os escritores, autores e tudo o mais.
– Ah! – e ele solta uma boa gargalhada. – Já faz muito tempo que você não pisa em uma biblioteca, não é mesmo?
– Pois é – respondo. Agora sim me sinto burro e inútil. Melhor até pendurar uma placa no pescoço dizendo: ‘Pode bater que é otário.’ Dou uma disfarçada e levo na boa. – Mas já li Joyce, Dickens e Conrad.
– Quem são esses?
Agora eu levo vantagem.
– O quê? Você não leu esses caras? E tira onda de bibliotecário?
Ele agora me dá razão, com um sorrisinho do mal.
Touché.
Touché.
Não suporto essa expressão.
Bem, mas o que interessa é que o cara agora ficou mais solícito. Ele diz:
– A gente não usa mais cartões; agora é tudo no computador. Vem.
Vamos até os computadores e ele diz:
– Bem, me diz um autor aí.
Dou uma gaguejada porque não quero mencionar uma das pessoas no ás de espadas. Esses são meus. Então mando um Shakespeare.
Ele digita o nome e logo todos os títulos aparecem na tela. Então ele digita o número ao lado de ‘Macbeth’ e diz:
– Aqui. Entendeu como é?
Leio a tela e saco tudo.
– Pô, valeu.
– Sem problema.
Ele se afasta e me deixa só, com as teclas, os escritores e a tela.”

(ZUSAK, Markus. Eu sou o mensageiro. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2007. pp. 184-185)

Anúncios

About jorgedoprado

Doutorando em Ciência da Informação (UFSC), Mestre em Gestão de Unidades de Informação (UDESC), Bacharel em Biblioteconomia (UDESC). Ver todos os artigos de jorgedoprado

One response to “Biblioteconomia romanceada em alguns parágrafos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: