Category Archives: Filmes

Apostas para o Globo de Ouro 2012

Rápido, Jorge, que dá tempo! Em vermelho, as minhas apostas. Levando em conta que: não assisti a maioria deles e que fiquei somente na categoria “Cinema”.

Melhor Filme de Drama

Os Descendentes
Histórias Cruzadas
A Invenção de Hugo Cabret (queria muito que ganhasse!)
Tudo pelo Poder
O Homem que Mudou o Jogo
Cavalo de Guerra

Melhor Filme de Comédia ou Musical

50%
O Artista
Missão Madrinha de Casamento
Meia-Noite em Paris
My Week with Marylin

Melhor Diretor

Woody Allen – Meia-Noite em Paris
George Clooney – Tudo pelo Poder
Alexander Payne – Os Descendentes
Michel Hazanivicous – O Artista
Martin Scorsese – A Invenção de Hugo Cabret (queria muito que ganhasse!)

Melhor Performance para Ator em Drama

George Clooney – Os Descendentes
Leonardo DiCaprio – J. Edgar
Michael Fassbender – Shame
Ryan Gosling – Tudo pelo Poder
Brad Pitt – O Homem que Mudou o Jogo

Melhor Performance para Atriz em Drama

Glenn Close – Albert Nobbs
Viola Davis – Histórias Cruzadas
Rooney Mara – Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres (queria muito que ganhasse!)
Meryl Streep – A Dama de Ferro
Tilda Swinton – Precisamos Falar sobre o Kevin

Melhor Ator em Comédia ou Musical

Jean Dujardin – O Artista
Brendan Gleeson – O Guarda (queria muito que ganhasse!)
Joseph Gordon-Levitt – 50%
Ryan Gosling – Amor a Toda Prova
Owen Wilson – Meia-Noite em Paris

Melhor Atriz em Comédia ou Musical

Jodie Foster – Carnage
Charlize Theron – Jovens Adultos
Kristen Wiig – Missão Madrinha de Casamento
Michelle Williams – My Week with Marilyn
Kate Winslet – Carnage

Melhor Performance de Ator Coadjuvante

Kenneth Branagh – My Week with Marilyn
Albert Brooks – Drive
Jonah Hill – O Homem que Mudou o Jogo
Viggo Mortensen – Um Método Perigoso (queria muito que ganhasse!)
Christopher Plummer – Toda Forma de Amor

Melhor Performance de Atriz Coadjuvante

Bérénice Bejo – O Artista
Jessica Chastain – Histórias Cruzadas
Janet McTeer – Albert Nobbs
Octavia Spencer – Histórias Cruzadas
Shailene Woodley – Os Descendentes

Melhor Filme de Animação

As Aventuras de Tintim
Operação Presente
Carros 2
Gato de Botas
Rango (queria muito que ganhasse!)

Melhor Filme Estrangeiro

A Pele que Habito – Espanha (queria muito que ganhasse!)
A Separação – Irã
O Garoto da Bicicleta – Bélgica
In the Land of Blood and Honey – EUA
The Flowers of War – China

Melhor Roteiro

Woody Allen (Meia-Noite em Paris)
George Clooney, Grant Heslov e Beau Willimon (Tudo pelo Poder)
Michel Hazavanicius (O Artista)
Jim Rash, Nat Faxon e Alexander Payne (Os Descendentes)
Aaron Sorkin e Steve Zaillian (O Homem que Mudou o Jogo)

Melhor Canção Original em Filme

Hello Hello – Gnomeo & Juliet
Lay Your Head Down – Albert Nobbs
The Living Proof – Histórias Cruzadas 
The Keeper – Redenção
Masterpiece – W.E.

Melhor Trilha Sonora

Ludovic Bource – O Artista
Abel Korzeniowski – W.E.
Trent Reznor e Atticus Ross – Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres (queria muito que ganhasse!)
Howard Shore – A Invenção de Hugo Cabret
John Williams – Cavalo de Guerra (queria muito que ganhasse!)

 

Anúncios

A Trilogia Millenium sueca

Eu já falei tanto de Stieg Larsson por aqui, que pode chegar a ser chato. Retomo o assunto, pois no último fim de semana assisti à trilogia completa, na versão sueca. E retomarei o assunto depois de assistir à versão americana.

Muito se falou da Noomi Rapace, a atriz que fez Lisbeth Salander. Falava-se que ela foi fenomenal no papel, como se tivesse realmente saído da mente de Larsson. E concordo com a maioria do que se escreveu sobre a atuação dela no filme. Ela consegue ser fria, consegue ser inteligente, perspicaz… bem do jeitão da Lisbeth.

De forma geral, os filmes na versão sueca são bastante originais quanto aos livros, mas senti falta de maiores detalhes da relação Mikael Blomkvist e a falência da revista e também do uso da inteligência da Salander, que foi pouco usado.

Fim do mês chega a versão americana. O que se espera, ainda mais com Craig no papel do jornalista Blomkvist, é uma versão mais cheia de ação, com mais sangue, luta e provavelmente maior uso dos atributos de hacker da Lisbeth. E ainda tem mais, críticos por aí estão colocando o filme em indicações ao Oscar, resta esperar pela lista final, a ser divulgada em 28 de janeiro.

Abaixo, um aplicativo para iPhone, quase como uma transmidia storytelling (TCC!) de Os homens que não amavam as mulheres:

 


Trailer de “A menina que brincava com fogo”

Já falei por aqui que a trilogia “Millenium”, de Stieg Larsson, foi a melhor história policial de todas que já li. E como boas histórias ultimamente rendem dinheiro, os livros tornaram-se filmes, primeiro na versão sueca e depois na versão hollywoodiana.

Ano passado, o volume 1, “O homem que não amava as mulheres”, passou quase que despercebido pelo cinema que costumo ir. Ficou somente uma semana e acabei perdendo. Esta semana somente que poderei assistir. Mas procurando na internet, encontrei o trailer da versão sueca para “A rainha do castelo de ar”, já o volume 3 (ou parte 3, como queira). Confere! (lembrando que a parte 2 ainda não chegou aqui pelo Brasil)


And the Oscar goes to…

Talvez este seja o vigésimo blog que você esteja lendo falando sobre as indicações ao Oscar, ou neste caso, sobre apostas.
Eu costumo colocar por aqui em quem aposto, para depois fazer uma comparação se estou com a crítica afiada. Não sou bom nisso, geralmente erro, algumas vezes porque não assisti a todos os filmes.
Enfim, vamos às minhas apostas, pois amanhã é o grande dia!

Melhor Filme
“127 Horas”
“Cisne Negro”
“O Vencedor”
“A Origem”
“Minhas Mães e Meu Pai”
“A Rede Social”
“O Discurso do Rei”
“Toy Story 3”
“Bravura Indômita”
“Inverno da Alma”

Aposto em: “O Discurso do Rei”, porque de todos que assisti foi um dos que mais gostei e porque faz o tipo de filme que levaria um Oscar. Gostei muito de “A origem” e “A rede social”, mas não levam.

Melhor atriz
Annette Bening por “Minhas Mães e Meu Pai”
Nicole Kidman por “Reencontrando a Felicidade”
Jennifer Lawrence por “Inverno da Alma”
Natalie Portman por “Cisne Negro”
Michelle Williams por “Blue Valentine”

Aposto em: Difícil essa, porque não assisti a nenhum dos filmes dessas atrizes, mas sigo a crítica geral e vou de Natalie Portman.

Melhor ator
Javier Bardem por “Biutiful”
Jeff Bridges por “Bravura Indômita”
Jesse Eisenberg por “A Rede Social”
Colin Firth por “O Discurso do Rei”
James Franco por “127 Horas”

Aposto em: essa indicação ficou difícil! Colin Firth é predileto, o Jesse é uma grande descoberta, Jeff é ótimo e Javier fascinou. Mas aposto em Firth.

Melhor ator coadjuvante
Christian Bale por “O Vencedor”
John Hawkes por “Inverno da Alma”
Jeremy Renner por “Atração Perigosa”
Mark Ruffalo por “Minhas Mães e Meu Pai”
Geoffrey Rush por “O Discurso do Rei”

Aposto em: sem comentários, aposto no Geoffrey Rush.

Melhor atriz coadjuvante
Amy Adams por “O Vencedor”
Helena Bonham Carter por “O Discurso do Rei”
Melissa Leo por “O Vencedor”
Hailee Steinfeld por “Bravura Indômita”
Jacki Weaver por “Reino Animal”

Aposto em: Sou MUITO fã da Helena Bonham Carter, mas acho que a menininha Haille Steinfeld leva.

Melhor diretor
Darren Aronofsky por “Cisne Negro”
Ethan Coen e Joel Coen por “Bravura Indômita”
David Fincher por “A Rede Social”
Tom Hooper por “O Discurso do Rei”
David O. Russell por “O Vencedor”

Aposto em: difícil essa! Não quero que os Coen ganhem, mas pode ser que levam. Gostei muito do Fincher pelo trabalho e do Tom Hooper. Fico com o Hooper.

Melhor roteiro original
“Another Year”
“O Vencedor”
“A Origem”
“Minhas Mães e Meu Pai”
“O Discurso do Rei”

Aposto em: “O Discurso do Rei”. Leva fácil!

Melhor roteiro adaptado
“A Rede Social”
“127 Horas”
“Toy Story 3”
“Bravura Indômita”
“Inverno da Alma”

Aposto em: Torço por “A rede social”, mas o “Bravura Indômita” é forte também.

Melhor animação
“Como Treinar o Seu Dragão”
“O Mágico”
“Toy Story 3”

Aposto em: este já é do “Toy Story 3”.

Melhor filme estrangeiro
“Biutiful”, do México
“Kynodontas”, da Grécia
“Em um Mundo Melhor”, da Dinamarca
“Incendies”, do Canadá
“Fora da Lei”, da Algéria.

Aposto em: “Biutiful”, claro.

Melhor direção de arte
Alice no País das Maravilhas
Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte I
A Origem
O Discurso do Rei
Bravura Indômita

Aposto em: Queria que “Harry Potter” ganhasse, mas “Bravura Indômita” leva.

Melhor fotografia
Cisne Negro
A Origem
O Discurso do Rei
A Rede Social
Bravura Indômita

Aposto em: “Bravura Indômita” e merecido.

Melhor figurino
Alice no País das Maravilhas
I am Love
O Discurso do Rei
The Tempest
Bravura Indômita

Aposto em: “Alice no País das Maravilhas”.

Melhor montagem
Cisne Negro
O Vencedor
O Discurso do Rei
A Rede Social
127 Horas

Aposto em: “O Discurso do Rei”!

Melhor documentário
Lixo Extraordinário
Exit Through the Gift Shop
Trabalho Interno
Gasland
Restrepo

Aposto em: “Lixo extraordinário” e com fervor!

Melhor documentário em curta-metragem
Killing in the Name
Poster Girl
Strangers no More
Sun Come Up
The Warriors of Qiugang

Aposto em: não conheço nenhum, vamos pelo título, “Killing the Name”.

Melhor trilha sonora
Alexandre Desplat – O Discurso do Rei
John Powell – Como Treinar o seu Dragão
A.R. Rahman – 127 Horas
Trent Reznor e Atticus Ross – A Rede Social
Hans Zimmer – A Origem

Aposto em: Trent Reznor e Atticus Ross, em “A rede social”. Traz muitas sensações essa trilha!

Melhor canção original
“Coming Home” – Country Strong
“I See the Light” – Enrolados
“If I Rise” – 127 Horas
We Belong Together – Toy Story 3

Aposto em: “We Belong Together”, de “Toy Story 3”.. owwnnn…

Melhor Maquiagem
O Lobisomem
Caminho da Liberdade
Minha Versão para o Amor

Aposto em: “O lobisomem”.

Melhor Curta-metragem de animação
Day & Night
The Gruffalo
Let’s Pollute
The Lost Thing
Madagascar, Carnet de Voyage

Aposto em: vamos pelo título de novo? “The lost thing”.

Melhor Curta-metragem
The Confession
The Crush
God of Love
Na Wewe
Wish 143

Aposto em: posso ir pelo título de novo? “Wish 143”.

Melhor Edição de som
A Origem
Toy Story 3
Tron – O Legado
Bravura Indômita
Incontrolável

Aposto em: “A origem” é fera, mas “Tron – o legado” também.

Melhor Mixagem de som
A Origem
Bravura Indômita
O Discurso do Rei
A Rede Social
Salt

Aposto em: “A origem”.

Melhor Efeitos especiais
Alice no País das Maravilhas
Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte I
Além da Vida
A Origem
Homem de Ferro 2

Aposto em: como que queria que “Harry Potter” levasse um Oscar, mas nesse, de certeza, “A origem” leva.

 

Enfim, é isso! Amanhã, comentários da premiação direto do meu Twitter. Follow me: http://twitter.com/jorgedoprado


A Rede Social, livro e filme

Não poderia deixar de falar sobre as minhas mais recentes “viagens”, a um livro e a um filme.

Pedi de amigo secreto na faculdade o livro “Bilionários por acaso: a criação do Facebook”, de Ben Mezerick e meu pedido foi atendido. Ganhei o livro na quinta e comecei a ler na sexta. Terminei hoje pouco depois do meio-dia.
Vale ressaltar que o livro não fora aprovado por Mark Zuckenberg, o criador do Facebook, mas teve ótima aceitação de Eduardo Saverin, cofundador da rede social. O livro é baseado obviamente em fatos reais, que foram analisados a partir de algumas conversas e documentos. Não tem um enredo bem escrito, já que a base para a escrita também precisava de ser construída.
Gostei muito do modo que Ben apresentou Harvard, pois ele também foi estudante de lá e soube apresentar a melhor universidade do mundo com uma proeza de detalhes. O livro termina de um jeito estranho, praticamente sem final. O que é certo, já que o Facebook ainda continua crescendo.

Após ter lido o livro, corri para o cinema assistir à versão cinematográfica que foi lançada nesta sexta-feira. Diferente do livro, achei que o filme partia mais da visão do Mark. E ainda bem que li o livro, pois o filme apresenta os detalhes sem explicações, tudo muito rápido. Para quem gosta de tecnologia, de admnistração, vai gostar de ambos, livro e filme.

Abaixo, uma foto do filme, representando o Mark Zuckenberg.


Nosso Lar

Ontem chegou às telas brasileiras a produção nacional mais cara da história, “Nosso Lar”, baseado na obra homônima de Chico Xavier. E eu fui assistir.

Assisti no início do ano o filme sobre a vida dele e até que gostei, mas quanto a “Nosso Lar”… fiquei com uma sensação estranha. Não é um filme bom, mas també não posso encaixá-lo como ruim. Gastar vinte milhões de reais para todos aqueles efeitos para constuir a cidade, valeu a pena, ficaram ótimos! Outra coisa que gostei bastante foi a trilha sonora e os efeitos sonoros. Soube que a trilha foi composta por um inglês, ele conseguiu dar um importante papel à música no filme. Junto dos efeitos sonoros, principalmente nas cenas do Umbral, consegui até sentir medo.

Sobre o enredo, não posso falar muita coisa, porque não li o livro (bem que tentei emprestar de algum lugar, mas não deu tempo).

O “Nosso Lar” ficou muito interessante, mesmo! Foi baseado nas edificações de Oscar Niemeyer e quanto à parte gravada fisicamente, as locações ficaram entre Rio de Janeiro e Brasília.

O cinema nacional está crescendo. E isso é bom. Vamos esperar pelo próximo!


O último mestre do ar

Antes tarde do que mais tarde, eis que retorno. Meus planos, que poderiam mudar o percurso deste blog inclusive, não deram certo. Enfim, bola frente. Hora de voltar com os posts!

Relato sobre o último filme que assisti no cinema, “O último mestre do ar”.
A primeira vez que vi algo sobre o filme, não foi em blog, nem em revista, YouTube ou Twitter. Foi no cinema mesmo; era um dos trailers que antecipam o filme que fui assistir. Toda essa questão que envolve a produção de um filme, os efeitos, as roupas, fotografia; são detalhes que me chamam a atenção e muitas vezes são decisórios para que eu gaste R$10,00 e vá ao cinema (mais decisório até que o enredo).
O trailer foi muito bem feito, atingiu realmente o objetivo. Fiquei embasbacado com as cenas que seriam transmitidas em 3D e esperei até que chegasse nos cinemas de Floripa.

Se o filme fosse em 3D ou não, diferença não haveria. Faltou abusar do recurso.

O enredo é fraco e teve partes em que achei que ouve corte de gravação em cenas importantes. E isso ficou bastante claro, perceptível mesmo. Agora, quanto aos efeitos… Muito bom mesmo! A natureza em si (fora do cinema) é um baita espetáculo. Misturá-la com a dança, engrandece mais ainda. Os passos para evocar os poderes da natureza ficaram muito bonitos, grandiosos.

Sabe-se que haverá continuação, já que ele deve fazer jus à história do desenho animado. E quando os outros vierem, irei ao cinema para acompanhar.